Terapia Ocupacional

 

A Terapia Ocupacional é a ciência que estuda a atividade humana e a utiliza como recurso terapêutico para prevenir e tratar dificuldades físicas e/ou psicossociais que interfiram no desenvolvimento e na independência do cliente em relação às atividades de vida diária, trabalho e lazer.

É a ciência de orientar a participação do indivíduo em atividades selecionadas para restaurar, fortalecer e desenvolver a capacidade, facilitar a aprendizagem daquelas habilidades e funções essenciais para a adaptação e produtividade, diminuir ou corrigir patologias e promover e manter a saúde. (Organização Mundial de Saúde).

O Curso de Graduação em Terapia Ocupacional foi proposto para estudar o processo de saúde-doença do indivíduo, da família e da comunidade, com vistas à realidade epidemiológica da região, buscando proporcionar a interlocução das diferentes ações do cuidar em terapia ocupacional, visando atender ao sistema de saúde vigente no país, com ênfase na atenção integral da saúde e no trabalho em equipe. Aborda conteúdos das Ciências Biológicas e da Saúde, incluindo conhecimentos relacionados com as bases moleculares e celulares dos processos biológicos normais e alterados, da estrutura e função dos tecidos, órgãos, sistemas e aparelhos; das Ciências Humanas e Sociais envolvendo o estudo dos seres humanos e de suas relações sociais, do processo saúde-doença, contemplando a integração dos aspectos psicossociais, culturais, filosóficos, antropológicos e epidemiológicos, princípios éticos e das políticas sociais. Também, estão incluídas as atividades e os recursos terapêuticos, a cinesiologia e a ergonomia, em relação com processos saúde-doença, com o planejamento e a gestão de serviços e com os estudos de grupos e instituições.

Duração:

8 (oito) semestres, no mínimo, e de 12 (doze), no máximo.

Áreas de Atuação:

A formação do Terapeuta Ocupacional tem por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e habilidades gerais:

1. Desenvolver ações de promoção, prevenção e reabilitação da saúde individual e coletiva;

2. Assegurar que sua prática profissional seja realizada de forma integrada e contínua com as demais instâncias do sistema de saúde;

3. Ser capaz de pensar criticamente, analisar problemas e procurar soluções dentro dos mais altos padrões de qualidade e dos princípios éticos;

4. Avaliar, sistematizar e decidir condutas baseadas em evidências científicas;Dominar o uso de tecnologias de comunicação e informação;

5. Atuar multiprofissionalmente em ações interdisciplinares podendo assumir posições de liderança com compromisso, responsabilidade e habilidade para a tomada de decisões, comunicação e gerenciamento e

6. Aprender continuamente, tanto na sua formação quanto na sua prática profissional.

Ainda, tem por objetivo dotar o profissional para o exercício das seguintes competências e habilidades específicas:

1. relacionar a problemática específica da população com a qual trabalhará, com os seus processos sociais, culturais e políticos e perceber que a emancipação e a autonomia da população atendida são os principais objetivos a serem atingidos pelos planos de ação e tratamento;

2. conhecer os fatores sociais, econômicos, culturais e políticos da vida do país, fundamentais à cidadania e à prática profissional;

3. reconhecer a saúde como direito e atuar de forma a garantir a integralidade da assistência, entendida como um conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema;

4. compreender as relações saúde-sociedade como também as relações de exclusão-inclusão social, bem como participar da formulação e implementação das políticas sociais, sejam estas setoriais políticas de saúde, infância e adolescência, educação, trabalho, promoção social, etc. ou intersetoriais;

5. reconhecer as intensas modificações nas relações societárias de trabalho e comunicação em âmbito mundial, assim como entender os desafios que tais mudanças contemporâneas poderão trazer;

6. inserir-se profissionalmente nos diversos níveis de atenção à saúde, atuando em programas de promoção, prevenção, proteção e recuperação, assim como em programas de promoção e inclusão social, educação e reabilitação;

7. compreender o processo de construção do fazer humano, isto é, de como o homem realiza suas escolhas ocupacionais, utiliza e desenvolve suas habilidades, se reconhece e reconhece a sua ação;

8. identificar, entender, analisar e interpretar as desordens da dimensão ocupacional do indivíduo e a utilizar como instrumento de intervenção por meio das diferentes atividades humanas, quais sejam as artes, o trabalho, o lazer, a cultura, o auto-cuidado, as atividades cotidianas e sociais, dentre outras;

9. utilizar o raciocínio terapêutico ocupacional para realizar a análise da situação na qual se propõe a intervir, o diagnóstico clínico e/ou institucional, a intervenção propriamente dita, a escolha da abordagem terapêutica apropriada e a avaliação dos resultados alcançados;

10. conhecer o processo saúde-doença nas suas múltiplas determinações contemplando a integração dos aspectos biológicos, sociais, psíquicos, culturais e a percepção do valor dessa integração para a vida de relação e produção;

11. conhecer e correlacionar as realidades regionais no que diz respeito ao perfil de morbi-mortalidade e as prioridades assistenciais, visando a formulação de estratégias de intervenção em Terapia Ocupacional;

12. conhecer a influência das diferentes dinâmicas culturais nos processos de inclusão, exclusão e estigmatização;

13. conhecer os principais métodos de avaliação e registro, formulação de objetivos, estratégias de intervenção e verificação da eficácia das ações propostas em Terapia Ocupacional;

14. conhecer os principais procedimentos e intervenções terapêuticas ocupacionais utilizados, tais como: atendimentos individuais, grupais, familiares, institucionais, coletivos e comunitários;

15. conhecer, experimentar, analisar, utilizar e avaliar a estrutura e dinâmica das atividades e trabalho humano, tais como: atividades artesanais, artísticas, corporais, lúdicas, de lazer, cotidianas, sociais e culturais;

16. conhecer as bases conceituais das terapias pelo movimento: neuroevolutivas, neuro-fisiológicas e biomecânicas, psicocorporais, cinesioterápica, entre outras;

17. conhecer a tecnologia assistiva e acessibilidade, através da indicação, confecção e treinamento de dispositivos, adaptações, órteses e software e

18. vivenciar atividades profissionais nos diferentes equipamentos sociais e de saúde, sejam hospitais, unidades básicas de saúde, comunidades, instituições em regime aberto ou fechado, creches, centros de referência, convivência e de reabilitação, cooperativas, oficinas, instituições abrigadas e empresas, dentre outros.

Mercado de Trabalho:

O terapeuta ocupacional atua na promoção da saúde, prevenção e tratamento doenças e na reabilitação de pacientes. Instituições que contratam os terapeutas ocupacionais: Hospitais; Unidades Básicas de Saúde; Centros de Atenção Psicossocial (CAPS); Clínicas; Ambulatórios; Consultórios; Escolas; Creches; Programa de Saúde da Família; Centros de Reabilitação; Centros de referência (do Idoso, do Trabalhador, etc).

Contato:

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 


Últimas publicações

  Seminário Acadêmico de Finalização de Estágios 2/2016

 Documento Norteador dos Estágios Curriculares Supervisionados


  Fixação de cronograma para entrega dos comprovantes e solicitação de inclusão das atividades complementares dos graduandos do curso de Terapia Ocupacional da FCE/UnB
 - Edital 02/2016